segunda-feira, 8 de dezembro de 2014

RESPINGOS DE PRATA XXX

Se um dia sentires medo do mar revolto,
Volta ao porto e espera os teu receios
se acalmarem.
Espera que os ventos se aquietem
e acariciem o teu corpo.
Deixa que eles beijem o teu rosto
para que se façam entender.
Que falem baixinho ao teu ouvido
as maravilhas das navegadas, sem fim.

quinta-feira, 4 de dezembro de 2014

RESPINGOS DE PRATA XXIX

"Ria muitas vezes e muito alto.
E se você tiver um amigo que
o faça rir, passe muito tempo
com ele/ela.
Quando lágrimas aparecerem,
aguente, sofra, supere-as.
A única pessoa que fica conosco,
somos nós mesmos.
Viva enquanto estiver vivo/viva!"

terça-feira, 2 de dezembro de 2014

domingo, 23 de novembro de 2014

RESPINGOS DE PRATA XXVII

E quando passei solito pelo Rio São Gonçalo, entrei na Lagoa Mirim.  Senti o peso do perigo, Lagoa malvada e brava. Naveguei muito tempo em ventos perigosos. Depois, entrei em arroios calmos para descansar, cozinhar, sonhar e depois dormir.
Eta! Lagoa briguenta, brava que cansa agente com ventos loucos e com a sua solidão.
Uma semana de timão, nas mãos as velas caçadas, controlando os ventos fortes.
E, cheguei em Jaguarão. Cidade bonita, meio espanhola, meio portuguesa, povo alegre, brincalhão, cavalheiro e amigo.
Assim passei  alguns dias. Parrilladas, vinhos importados, cervejas Nortenhas geladíssimas, queijos maravilhosos e, para variar, algumas casas de chinas que visitei, afastando a solidão. Resolvi entrar então, no Rio Cebollati, rio maneiro do Uruguai. Comi churrasco de cordeiro mamão, tomei cachaças "malevas" e voltei devagarinho "costurando" pelas margens.
E resolvi encarar , de volta, a fera. A Lagoa Mirim.
Entrei nela à tardinha, com vento forte na proa, no rumo de Santa Vitoria. Não consegui dormir, naveguei por toda a noite encontrando "demos" na proa.
Cheguei por lá no outro dia, num fim de tarde ventoso. Guardei meu barco no porto, tomei butiá na cachaça, traíra frita de tira gosto.
Depois dormi, dormi como nunca. Acordei no outro dia ventando forte  e saí pela cidade, procurando amores que, lá encontrei um dia ou namoradas passageiras, com saudade dos beijos que esqueci no tempo, imaginem que bobagem.
Voltei,  para o meu barco amigo e quieto, lá na beira do canal. Encontrei uma  índia velha, dona de uma bodega que me contou coisas lindas da vida dela e da quieta Santa Vitoria, aos goles de butiá.
Fui embora no outro dia e muito tempo depois, busquei o meu Guaxo, querido amigo que me ensinou a conhecer coisas que pouca gente conhece. Envelheci e nunca mais naveguei.
Meu barco voltou,  parou e, também, nunca mais navegou. Eu o terei na lembrança para sempre.
Meu velho Guaxo, valente, descansou.

quarta-feira, 12 de novembro de 2014

FRANK SINATRA&ANTONIO CARLOS JOBIM Medley bossa nova 1967


RESPINGOS DE PRATA XXVI

Amor quando vai embora,
acaba em samba canção.
Palavras bonitas aparecem
e rimam com coração, ou não.
"Meus carinhos, espinhos de vida!"
"Minha tristeza, emoção, infinita!"
"Partiste e eu quieta, foste o vilão"
E as músicas, sempre, chegando.
Ela encontra um outro amor,
as coisas, mudam, ficam assim:
"Não estou só, vai embora!"
"Te quero longe de mim!"
"Um outro amor já chegou!"

E, depois de algum tempo,
o meu telefone toca.
"Quero, muito, falar contigo.
Aqui, tudo acabou."





quarta-feira, 5 de novembro de 2014

RESPINGOS DE PRATA XXV

Gostaria de caminhar nas areias, os pés amaciados pelas ondas, brigar com os ventos fortes, 
sentir na alma, os momentos de voltar, um dia.
Coisas grudadas em mim, coisas sem fim, guardadas, lá no fundo do peito  e  que os ventos levaram para poentes distantes, para longe, muito longe.
Quem sabe, um dia, possam trazer tudo de volta para mim. Afinal, amores um dia voltam, vão e voltam.
Sou amante das águas, marcado pelos mares sem fim..
Os carinhos que tive, a maré, os ventos os trarão de volta, um dia. Tenho certeza.
Eu os guardarei ao balanço do mar que os fará dormir em mim.

segunda-feira, 3 de novembro de 2014

RESPINGOS DE PRATA XXIV

Aprendi a velejar,
Em lagoas, rios sem fim.
Comandei mares abertos,
Os ventos ensinei a meu filho
Hoje, graduado em oceanos,
Mil milhas, longe de mim...
Tenho mestrado em saudade,
Do meu aluno, sem fim.


sexta-feira, 31 de outubro de 2014

RESPINGOS DE PRATA XXIII

Sou mistura das areias
com as águas salgadas da praia.
Amo a terra das belezas,
antigas, da minha infância.
Vivi nas pedras de molhes,
Minha escola foi o mar.

BELA RIO GRANDE NOIVA DO MAR.

                                       

                                          " Coisa dentro em mim, estão dizendo que estou vivo
                                                                            (Taiguara)

sexta-feira, 17 de outubro de 2014

RESPINGOS DE PRATA XXII

A imensa noite chega 
 praia para de falar. 
Barulhos, vagos, ficam,
Das ondas, cansadas.
Meus pensamentos voam, 
Vagando pelas dunas
E não param  um só
Momento, De te lembrar. 
Saudade!

quarta-feira, 8 de outubro de 2014

RESPINGOS DE PRATA XXI

Foram tantas as noites ganhas na vida, tantas as boemias, tantas músicas, tantos amigos, amigas, foram tantos carinhos e amores, que lembro, sempre, sem esquecer detalhes. E as músicas, muitas e lindas músicas que ecoavam pela cidade.  "Eu sei que vou te amar, por toda a minha vida eu vou te amar e a cada despedida eu  vou te amar..." É, as coisas foram assim e eu, aqui a lembrar. Lembro de tudo. "Vivi sonhos a varejo", vivi  o tempo. A vida guardada em mim. Um dia escreverei essas coisas, e morrerei, com o coração saudoso, cheio de amor e muito mar.



sábado, 27 de setembro de 2014

RARIDADE.


RESPINGOS DE PRATA XX

Saudade quando doce,
É como carinho de China.
Que, se um dia vai embora,
A tal saudade se amarga
Como araçá, verde, no pé.
O coração logo acorda,
E procura outra saudade 
Que fiquem bem junto dele,
Trazendo novos carinhos,
Com gosto de mel do campo,
Com gosto de amora madura,
Com gosto de rapadura.

sexta-feira, 26 de setembro de 2014

RECUERDOS.

Lembro bem.
Foi um sopro de brisa doce
Que acariciou meu rosto,
Foi embora com o vento
E nunca mais voltou...

domingo, 20 de abril de 2014

DOMINGO DE PÁSCOA.

AMIGOS E AMIGAS, NOVOS E OS DE MUITO TEMPO. QUE TODOS CURTAM UM GRANDE DOMINGO DE PÁSCOA JUNTO AOS SEUS.
UM ABRAÇÃO EM TODOS!

quarta-feira, 19 de março de 2014

ESPEREM E VERÃO...

AMIGOS, SUGIRO PACIÊNCIA E QUE LEIAM COM ATENÇÃO, NA INTERNET, ORÇAMENTO  ESTADUAL DE 2014.

                                        PROPOSTA DA  LEI ORÇAMENTARIA.
                                                              MENSAGEM


Procurem   ITEM 1.          A CONJUNTURA ECONÔMICA INTERNACIONAL.

Agora leiam:
Página  11  - 1.2               O BRASIL E SEUS VIZINHOS  .
Página  17  - 1.3               A CONJUNTURA ECONÔMICA NACIONAL.      

Procurem o parágrafo cujos textos  se iniciam com o período:  "UMA INDEFINIÇÃO PERMANECE..."
Leiam e avaliem com quem andamos metidos e onde vamos possivelmente parar. Vale à pena sabermos essas coisas. Observem os rumos que o rio Grande do Sul/Brasil, etão seguindo. Procurem entender bem.
Um abraço.

quarta-feira, 12 de março de 2014

RESPINGOS DE PRATA XX

Amo músicas.
Sempre que posso, durmo com elas.
Populares lindas,
Eruditas, clássicas, fantásticas!
Ouço músicas sempre.
Mas, nenhuma mais linda,
Que as batidas frenéticas,
Do coração dela,
Quando me encontra...

segunda-feira, 3 de março de 2014

CORTAZAR COM MUITO ROMANCE.


RESPINGOS DE PRATA XIX

Alem do mar, há um coração
Que me diz segredos.
É a magia da vida,
Da minha vida.
Fecho os olhos e vejo,
Meu passado,meu destino.
Lembrando de ti, tão longe.
Navegando na memória,
O belo tempo, que vivemos
Juntos.

segunda-feira, 17 de fevereiro de 2014

TERRA QUE NÃO ESQUEÇO.

Esse amanhecer, esse entardecer,
Fazem, com que eu lembre e ame, essa terra.
Talvez não volte jamais, mas não a esqueço...
São pedacinhos de sonhos, que me fazem pensar
Que ali, na beira do cais, num cais, quieto e parado!
Vivi todo um passado, pescado, amado.
Sou filho, nascido na terra, sou filho nascido no mar.
Sou filho do vento leste, sou filho das madrugadas.
Sou filho da beira do cais, que não esqueço, jamais.
Sou filho da, eterna, saudade do meu Rio Grande.

domingo, 16 de fevereiro de 2014

CORDEIRO NO FORNO.


Um pouco de ilusão.

Se um dia quiseres entender a minha alma,
Ouve Rachmaninoff, Chico Buarque, Pìxinguinha
E outros da velha guarda. Nada de novos!
Depois, lê um poco de Chico Xavier,
Um pouco de Jorge Amado, Fernando Sabino.
Pensa,  nas coisas que  te escrevi  nas horas altas
Nas noites caladas. Pensa, também,
Nos carinhos que te ofereci pelo tempo todo.
Então, ficarás entendendo, quase tudo, da minha alma...

terça-feira, 21 de janeiro de 2014

SOU ASSIM, TUDO BEM?

Tenho um celular em que , apenas, recebo e respondo
Quando quero.
Um computador onde escrevo e curto o que gosto.
Um violão, que toco apenas o que quero e o que sonho.
Uma gaitinha de boca, para as grandes navegadas solitárias.
Amigos, para cultivá-los com muito carinho e sempre.
Carinhos, para distribuí-los à vontade...
Saudades, para chorar um pouco, quando lembro de coisas...
Amores passados, para conservá-los na memória
E, continuar amando-os, sempre.
Sonhos, para viver com eles, a vida toda.
Sou assim, amigos, afinal, sempre fui assim.
Por favor, quero continuar, deixem-me assim.

segunda-feira, 20 de janeiro de 2014

MAIS UM, GRANDE, ABSURDO DO CRIATIVO GOVERNO.

Um repórter, aqui de Porto Alegre, entrevistava uma senhora para serviços domésticos, na casa dele. Ao solicitar a carteira de trabalho ela respondeu, que não queria a carteira assinada e ele perguntou o motivo...
"Se o senhor assinar a minha carteira de trabalho, perco a minha bolsa família!"
Bonito de ouvir, né?

sexta-feira, 3 de janeiro de 2014

RESPINGOS DE PRATA.

Minha juventude envelheceu ligeiro.
E,o meu passado, tão quieto,
Trouxe-me à memoria,
As coisas do tempo.
Não me lamento,
Eu vivi, eu vivi!
Eu amei!